quarta-feira, 17 de maio de 2017




      Os desequilíbrios gerados por nós mesmos, nos trazem grandes malefícios, vítimas de nossos próprios pensamentos que nos conduzem ao costumeiro erro.
       Júbilo de glória ao orgulho, se faz cegar, o irmão que teima em delirar em devaneios e exaltação aos feitos terrenos de sucesso aparente.
      Paradigma das más palavras da inveja e perjúrio dos que foram agraciados pela riqueza terrena para passar suas pesadas penas.
      Auto piedade e autoflagelamento, através das depressões psíquicas, que se faz sucumbir em dores inexistentes criadas para a acomodação e a não aceitação das provas.
      Sim, as dores e limitações físicas da saúde vem como provações, mas não de todo. A maior parte somos nós mesmos quem criamos e desenvolvemos. Células doentias desencadeiam e se multiplicam, outras secam e morrem, em um desequilíbrio que leva o desencadear das doenças.
      As virais, as bacterianas, tomam acesso também através dos nossos pontos fracos, brechas que damos ao desequilíbrio.
      Fiquemos alerta, não briguemos, sejamos pacíficos que seremos os mais beneficiados no fim das contas entre prejuízos e vantagens. Vigiemos e condenemos, nosso olhar, nosso pensar, sejamos mais críticos de nós mesmos.
      Aproveite as bênçãos das orações, revigoram e amenizam.


                                                                                                                             Um amigo protetor

quinta-feira, 27 de abril de 2017

      Divórcio, escolha  dos homens, leis dos fracassados, da discórdia, de desalinho. Não foi esta a proposta, a dos desistentes das expiações diante de nós, aceita.
      Cada um recebe o seu fardo que nunca é mais pesado do que se pode carregar, os sentidos se entorpecem de um perverso amor de pele, de atração que unem, não só corpos. Unem-se almas que têm vários motivos para se encontrarem e vivenciarem experiências necessárias ao crescimento e aceitação espiritual.
      Não desistam de suas expiações, só porque os homens arranjaram um meio de regularizarem, tornando a separação aceitável diante dos olhos de suas criadas leis pagãs. Estas não são as leis de Deus, mas lembre-se sempre dos compromissos assumidos diante do Pai e de suas antigas necessidades relacionadas ao perdoar e ser perdoado.
      Se está unido numa célula, tem algo a ser cumprido, nada é por acaso e apesar de buscarmos sempre a felicidade, não se baseie naquela que se fica aparente, pois que não corresponde        a verdadeira.
      A felicidade tem ponto de vista e nem sempre estamos olhando do melhor ângulo. Aprofundar na consciência dos propósitos, sempre se questionando do que Deus quer de mim? O que Ele pretende me mostrar com isso? São questionamentos simples que podemos fazer para reflexão.


APROVEITE A VIDA EM FAMÍLIA